Resenha: O Filho de Netuno, de Rick Riordan

Título: O Filho de Netuno

Título Original: The Son of Neptune

Autor: Rick Riordan

Publicação: 04 de outubro de 2011, nos EUA; 07 de maio de 2012, Brasil

Número de páginas: 426 páginas

Editora: Intrínseca

ISBN: 9788580571806

O Filho de Netuno é o segundo livro da série Os Heróis do Olimpo. Nesse volume novos semideuses nos são apresentados, bem alguns não são tão novos assim. Também temos mais figuras da mitologia romana, como Marte, que representa o Deus Ares, e Plutão que representa o Deus Hades, além de Netuno, personificação romana de Poseidon. Daí já se tem uma boa ideia de quem é o filho de Netuno, né? Sim, ele está de volta: Percy Jackson.

Com o objetivo de libertar o Deus da Morte Tânatos, Percy, juntamente com mais dois semideuses, partem para o Alasca em busca também do estandarte da Décima Segunda Legião do Acampamento Júpiter, para onde Percy vai após Juno, a personificação romana de Hera, roubar a sua memória e colocar em prática um plano para tentar impedir o despertar de Gaia.

A questão do filho de Netuno é bem mais ampla do que somente mostrar que Percy está de volta. E é isso que me agrada na escrita do Rick, ele sempre tem uma surpresa e outro descendente de Netuno aparece na trama. Os novos semideuses  que partem em missão para o Alasca são Frank Zhang e Hazel Levesque. Ambos são do Acampamento Júpiter e possuem histórias pessoais bem interessantes. Além deles, conhecemos Reyna, pretora do Acampamento que revela já conhecer Percy, e Octavian, que é uma espécie de Oráculo do Acampamento Júpiter. É impossível não detestar esse Octavian, gente, ele é frio, calculista, manipulador e pelo jeito pode estar por trás do despertar de Gaia (esse é o meu pensamento, não tem isso no livro). Reyna, apesar de toda a rispidez apresentada no inicio da trama, se mostrou uma grande líder e com bom senso de justiça.

O livro também tem bem mais ação do que o primeiro, muito por conta mesmo da presença de Percy. É impossível não gostar das tiradas dele, eu adoro o quanto ele é irônico e sarcástico com os seus inimigos. Também adoro o seu lado companheiro, guerreiro e leal com os amigos.  Sem contar o seu lado mais estrategista e a forma como luta e ajuda os companheiros em batalha. A estória é narrada em terceira pessoa, através dos pontos de vista de Percy, Frank e Hazel, possivelmente os semideuses restantes da Profecia dos Sete.

Gostei bastante de conhecer mais o Acampamento Júpiter, saber as divisões e organizações. O quanto é organizado mais como um pequeno estado do que como um acampamento em si, o modo mais bélico e cruel em comparação com o Acampamento Meio-sangue.

No livro também temos uma ideia maior do exército de Gaia. Cada facção é liderada por um de seus filhos, gigantes criados para serem antagonistas dos Deuses do Olimpo. O interessante é notar que muitas das criaturas que lutaram contra Cronos, estão agora do lado da Gaia.

Nico di Angelo é outra personagem que volta à trama e sua presença no acampamento romano tem um motivo bem especial.  Quanto ás personagens do primeiro livro, Rick nos mostra no desenrolar da trama alguns vislumbres da construção do Argos II, através dos sonhos de Percy.

Por fim, o livro tem um final que não me surpreendeu tanto, pois era algo que eu acho que todos nós já esperávamos, embora não tenha acontecido exatamente do jeito que eu esperava. Mas é um bom final e cheio de promessas para o futuro dos semideuses gregos e romanos.

Livro excelente. Recomendadíssimo. Mais uma vez, um ótimo trabalho de Rick que sabe mesmo colocar os elementos mitológicos na trama de forma fantástica, com muita ação, aventura e humor e uma narrativa perfeita.

.:.Abraços e até a próxima.:.

Anúncios

Sobre Cassy Teodoro

Administradora e resenhista deste digníssimo blog. Aes Sedai da Ajah Verde, Curadora das Crônicas da Torre Branca e fiel ao Lorde Dragão Rand al'Thor.
Esse post foi publicado em Fantasia e Ficção Científica, Resenhas, Romance e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

8 respostas para Resenha: O Filho de Netuno, de Rick Riordan

  1. Percy levendo a Gaia no bico e passando a perna no Nereus foi muito foda!
    O livro inteiro é ótimo, mas do momento que eles chegam na geleira no Alasca até o final da batalha no Acampamento Júpiter foi a parte mais foda do livro! Menção honrosa pro Términus que é muito divertido!
    Ainda sinto falta do Black Jack, mas pelo menos a Sra. O’leary apareceu. E eu queria quebrar a cara do Octavian.
    No mais, Duodécima Legião Fulminata!!

    • Cassy disse:

      Adorei o Términus srsrsrsrs
      Percy Jackson realmente faz a diferença, o cara é muito foda 😀

      • Ah, esqueci de comentar!
        Muito boa a solução pra tirar a Marca de Aquiles dele. Inteligente, não dá muita margem pra reclamar que “deixou o herói superpoderoso e agora tem que enfraquecer ele pra não ficar apelão e tirar a graça”

      • Cassy disse:

        Vdd, Heitor. É isso que eu gosto na maneira de escrever do Rick, nada é feito por acaso e os propósitos têm sempre uma exlicação coerente e convincente. Outra coisa interessante, o fato do Percy ainda poder ser o semideus de dezesseis anos capaz de causar a destrição dos Deuses do Olimpo e o fato da Gaia querer usar isso.

      • O Ultimo Olimpiano acaba com ele fazendo 16 anos. Ele passou 8 meses “abduzido”. Se ele tiver tirado uns 2 ou 3 meses de férias, ele deve estar no máximo as bordas do 17.
        É… Faz sentido.

      • Cassy disse:

        O jeito é ver/ler o que o Rick vai fazer. Mas faz todo o sentido para o despertar da Gaia. Apesar de que ela pode estar blefando, sabando como Percy é leal, pode ter usado a profecia dos 16 anos apenas para atormentar.

  2. Mau, começo a ficar muito curioso com este escritor, que penso não estar publicado por cá, ou então sou eu que nem reparei lol

    Muito bem, gostei de ler o teu comentário 😉

    • Cassy disse:

      Eu estou gostando dessa série, já é bem melhor do que Percy Jackson e Os Olimpianos, que é muito bacana. O público alvo é o juvenil, mas Rick consegue agradar também os adultos. A escrita é leve, bastante adultas em umas partes, infantis em outras, irônica e sarcástica e bem humorada. Tem momentos ótimos de batalha. Vale a pena ler, mas leia primeiro a série do Percy Jackson e depois sim Os Herois do Olimpo.

      O Rick também tem uma série adulta, mas ainda não li, somente um livro foi publicado aqui no Brasil, chama-se Tequila Vermelha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s