Resenha: O Demonologista, de Andrew Pyper

O Demonologista capa brasileiraTítulo: O Demonologista

Título original: The Demonologist

Autor: Andrew Pyper

Publicação: 2013, Estados Unidos; 2015, Brasil

Número de páginas: 325 páginas

Editora: Darkside Books

ISBN: 9788566636406

“A guerra contra o paraíso nunca foi travada no inferno, nem na Terra. O campo de batalha está em todas as mentes humanas” … “milhões de criaturas espirituais andam na Terra. Invisíveis, tanto quando estamos acordados, como quando dormimos”.  Estes são versos do poema épico de John Milton (1608-1674), Paraíso Perdido, originalmente publicado em 1667 e que se manteve, ao longo de mais de três séculos, como uma narrativa inovadora ao recontar o mito de Adão e Eva, mas sob uma ótica alternativa, em que o bem e o mal se confundem e onde somos levados a questionar quem, de fato, é o vilão da estória e, consequentemente,  a origem dos males que assolam a humanidade.

E o que Milton tem a ver com a resenha de hoje? Muita coisa, pois sua obra-prima é o pano de fundo do mais recente trabalho de Andrew Pyper, o excelente O Demonologista, vencedor do prêmio de Melhor Romance do International Thriller Writers Award (2014), e que, para o deleite dos fãs, chega ao Brasil pela competentíssima Darkside Books.

Mas, antes de adentrar no incrível mundo criado por Pyper, não há como não ressaltar as qualidades físicas deste livro. Ele é, simplesmente, fenomenal. A Darkside vem tratando com muito profissionalismo e esmero seu catálogo e O Demonologista não é exceção. Lançado em capa dura, com acabamento de primeiríssima qualidade, o livro simula uma relíquia literária, com grande riqueza de detalhes e, para fechar com chave de ouro, com ilustrações internas esplendorosas que fazem alusão ao Paraíso Perdido de Milton. Show!

Quanto à narrativa, ela me agradou bastante. Temos em mãos um suspense psicológico de arrepiar e que deixou meus nervos, em muitos momentos, em frangalhos, tamanha a sensação de aflição em que somos levados a experimentar ao longo das 325 páginas desta obra. Bem, sem delongas, deixe-me apresentá-los ao O Demonologista. Nosso protagonista principal é David Ullman, renomado professor na prestigiosa Universidade de Columbia, e que, embora ateu convicto, fez sua bem-sucedida carreira especializando-se na figura mitológica do diabo tal qual apresentada no poema Paraíso Perdido.

Apesar de seu sucesso profissional, David passa por momentos muito delicados em sua vida. Além de traído pela esposa, ele vê a relação com Tess, sua única filha, tomar rumos inesperados. É em meio a este caos emocional que ele recebe um convite inusitado para investigar, segundo a enigmática contratante de seus serviços, um fenômeno sobrenatural em Veneza, Itália. Tentando salvar a relação com a filha, David resolve aceitar a tarefa e leva Tess consigo para, cumpridas suas obrigações, desfrutar o que deveria ser um agradável fim de semana em uma das cidades mais belas do mundo. Mas, ao se deparar com o suposto caso de possessão demoníaca, nosso protagonista é confrontado com uma força que ele nunca havia visto e que, até aquele momento, pelo menos para David, não passava de folclore, uma projeção fantasiada do que há de pior na natureza humana, nada que não pudesse ser explicado cientificamente. Mas, sabe aquele velho ditado que diz que tudo pode piorar!?

Pois é, piora, e muito! Ao retornar de sua jornada sombria, totalmente atordoado pelo que acabara de presenciar, David testemunha a tentativa de suicídio de Tess que, sem motivos aparentes, se lança da janela do saguão do hotel em que se encontravam diretamente em um rio turbulento. Contudo, nada aparenta ser o que realmente é. Ullman acredita (pelo menos assim sugerem os fatos) não ter vindo só, mas acompanhado pela figura maligna que ele havia confrontado poucos minutos antes e que, para seu desespero, parece ter tomado posse do corpo de sua filha, levando-a, involuntariamente, a tirar a própria vida. Apesar de tudo, o corpo de Tess não é encontrado, o que levanta muitas dúvidas em David acerca de suas percepções da realidade, pois, em um ato derradeiro, ao retomar o controle de sua consciência por um breve momento, Tess pede a seu pai que a encontre. Mas, onde? Como?

Assim, surgem várias outras indagações: o que David viu foi real ou fruto de sua imaginação, o resultado de uma série de frustrações e eventos traumáticos que, somados, levaram sua mente ao limite da irracionalidade? É a partir daí que ele vai em busca de respostas e, claro, do paradeiro de Tess, se é que ela ainda está viva. Tem início, então, um jogo de gato e rato, com reviravoltas angustiantes e inesperadas, em que David segue uma série de pistas e fatos improváveis contando, para tanto, apenas com sua força de vontade e a ajuda de sua melhor amiga, a professora Elaine O’Brian. E, nessa jornada, a única certeza que temos é que nada é certo!

Queridos amigos, paro por aqui para evitar spoilers. Para os que ainda tem dúvida sobre lê-lo ou não, eu devorei o livro em dois dias pois era impossível parar de virar suas páginas. Eu tinha que saber o que viria na sequência de cada evento e, assim, página após página, fui literalmente absorvido por esta trama emocionante, enervante, inteligente e frenética em que David precisa decifrar pistas escondidas no clássico Paraíso Perdido, e usar tudo o que aprendeu para enfrentar O Inominável e, assim, salvar sua filha de um destino trágico.

Por falar em fim, este é o ponto menos brilhante da obra. Apesar de ser bem satisfatório, eu achei que o desfecho destoa um pouco da alta qualidade que permeia toda a construção da trama. De forma alguma estou dizendo que o epílogo seja ruim, mas tive a impressão de ele ser um pouco forçado em algumas situações e de deixar sem explicações fatos fundamentais, sobretudo com relação a Tess, o que, de forma alguma, depõe contra a obra, tampouco compromete as inesquecíveis horas de entretenimento e tensão proporcionados por esta belíssima estória. Ah, outro aspecto relevante é que, apesar de sua natureza totalmente dark que, em muitos aspectos, nos lembra O Exorcista, temos, aqui, mais do que uma narrativa de terror psicológico, mas, acima de tudo, um conto que retrata a força surpreendente do amor de um pai por sua filha.

Por fim, vale lembrar que muito em breve teremos a adaptação de O Demonologista para as telonas. Ficará à cargo de Robert Zemeckis, diretor de Forrest Gump e da trilogia De Volta para o Futuro, dar vida à David Ullman no cinema. Por isso, leiam antes de virar filme!! Vale muito a pena. Este é, certamente, um livro que estará na minha lista de melhores leituras do ano. Top 5 fácil!!!

Sobre Fábio Albergaria

É professor universitário, darwinista convicto, colecionador de livros antigos e, claro, viciado em tudo que tenha papel, tinta e muita imaginação. Brasiliense de nascimento, mas elantrino por vocação.
Esse post foi publicado em Resenhas, Romance, Suspense/Terror e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

9 respostas para Resenha: O Demonologista, de Andrew Pyper

  1. Cassy Teodoro disse:

    Já dá vontade de ler só com o 666 no ISBN. rsrs

  2. Fábio Queiroz disse:

    Ha, ha!! É mesmo, nem tinha visto esses “detalhe”!!! Com ou sem the number of beast, vale cada minuto gasto na leitura!

  3. Maurilei disse:

    Gostei muito do livro, mas me decepcionei no final.

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    • Fábio Queiroz disse:

      Maurilei, tivemos a mesma impressão!! As cenas finais com O’Brian…hummm, muito forçado. E quanto a Tess!!? Acho que o que aconteceu com ela merecia um maior detalhamento. Fiquei super curioso para saber o que realmente se passou. Mas, como vc disse, no geral, o livro é muito bom! Abç

  4. Leandro Cruper disse:

    Me lembrou bastante os livros do Dan Brown com o Robert Langdon: um professor que decifra uma obra de arte para achar uma resposta. Devo esperar algo nesse sentido ou seguem linhas diferentes?

  5. Fábio Albergaria Queiroz disse:

    Leandro, é isso mesmo, bem por aí. O Paraíso Perdido, de Milton, é o pano de fundo da trama. À sua lista eu apenas acrescentaria O Exorcista, mas quanto à parte mais dark.

  6. Fábio Albergaria Queiroz disse:

    Alisson,
    Obrigado!

  7. Pingback: Divulgação: Os Condenados, de Andrew Pyper | .:.Dragonmountbooks.:.

Por favor, deixem os seus comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s