Resenha: Windhaven, de Lisa Tuttle & George R. R. Martin

Windhaven capaTítulo: Windhaven

Autores: Lisa Tuttle & George R. R. Martin

Publicação: 1981

Número de páginas: 268 páginas

Editora: Bantam

ISBN: 9780553897197

Buscando ler mais livros do Martin, afinal, quem se diz fã desse autor não deve ficar somente na série de TV e muito menos em um único trabalho dele resolvi aceitar a dica de dois queridos amigos e ler Windhaven, livro escrito pelo Martin em parceria com a autora Lisa Tuttle.

Eu gostei muito da leitura, mas acabei não me envolvendo tanto com a história quanto eu gostaria, no entanto, é uma obra que recomendo para qualquer fã de literatura especulativa que queira aumentar o seu acervo.

Windhaven é um livro de fantasia que mistura elementos da ficção científica. Para alguns leitores é apenas ficção científica, para outros, fantasia. A dica que eu passo é leiam e tirem suas próprias conclusões. Para mim, tem um pouco dos dois gêneros. A trama se passa no planeta Windhaven. O local é formado por muitas ilhas e isso torna a comunicação entre os habitantes do planeta impossível, para piorar o mar é cheio de perigos e o clima propício a tempestades e ventanias, porém, existe uma elite de pessoas com equipamentos e habilidades para viajarem de ilha a ilha, trazendo para os seus habitantes, as novidades, canções e histórias sobre outros locais, são os flyers/voadores.

Apesar de eu ter adorado o cenário, com todos os perigos e desafios apresentados aos flyers (eles usam asas de metal), achei o mundo de Windhaven muito parecido na sua formação em ilhas com o mundo criado pela Ursula K. Le Guin na série Terramar. Há diferenças, claro, e não estou dizendo que a Lisa e o Martin imitaram ou plagiaram a Ursula, muito pelo contrário, Windhaven tem sua vida própria, mas eu teria curtido mais se não tivesse lido Terramar. Ainda tem o fato de que os autores não exploraram tão bem o mundo, mas isso pode ser pelo fato da história ser contado pelo ponto de vista da Maris e a importância estar no que acontece com ela no desenrolar da trama.

windhaven_lisa_tuttle_grr_martin

Fonte: fort.wikidot.com

Maris é filha de um pescador, mas acaba sendo adotada por voador chamado Russ. Sem outra pessoa para herdar a sua missão como voador, Maris cresce aprendendo o ofício, mas é preterida quando o seu irmão mais novo Coll nasce, isso cria uma revolta em Maris que vai buscar de todas as formas uma maneira de se tornar flyers. Fica bem claro a crítica à cultura onde a Maris é desmerecida por não ser filha biológica e pelo fato do Russ ter um filho homem.  É mais uma bela crítica ao que aconteceu (e ainda acontece) em muitas sociedades do nosso mundo. Até a pouco tempo atrás, aqui mesmo no Brasil, tínhamos esse tipo de cultura, no qual apenas o filho-varão (esse era o termo) mais velho herdava; a mulher somente era herdeira na falta de um filho homem. E ainda tinha o direito de ser filho/a e herdeiro/a apenas os filhos de sangue advindos do casamento, os demais eram considerados bastardos. Ler isso retratado, a luta da Maris em provar as suas habilidades e buscar a realização do seu sonho é maravilhoso.

Outro ponto é o próprio Coll, o irmão da Maris, cujo sonho não é herdar o seu lugar entre os flyers, mas sim se tornar um cantor. Durante a leitura, lembrei-me de entrevistas de artistas, em especial cantores e atores/atrizes de teatro, que começaram suas carreiras no fim dos anos 60, alguns nos anos 70 e outros nos anos 80 e que sofreram bastante com seus familiares, em especial, seus pais, quando anunciaram que queriam ser artista. Isso porque ser artista nessas épocas- e ainda hoje, viu? – é visto por muitas pessoas como vagabundagem. As mulheres, então, sofriam ao serem chamadas de prostitutas. Então, não é incomum ver no livro, o sonho do Coll ser considerado absurdo pelo seu pai.

Embora seja uma história muito interessante, com personagens cativantes e resgates culturais de uma época que não queremos mais em nossa cultura, mas que infelizmente ainda existe em muitas, Windhaven teve trechos onde a história quase descambou para a chatice, em especial na segunda parte. Devo falar aqui que o livro, na verdade, é formado por três novelas, todas com começo meio e fim, mas que dependem umas das outras para dar um bom entendimento na história toda. No geral, é uma boa história, mas pegando em separado, novamente cito a segunda novela/segunda parte do livro, temos algo que não chega a ser enrolação, mas deixa a história sem aquele ótimo clima do começo e do desfecho.

Mesmo assim, eu recomendo. Acho que o livro deve chegar no Brasil em breve pela vocês-sabem-qual-editora. Leiam e tirem as suas próprias conclusões. Espero que gostem bem mais do que eu gostei.

.:.Até mais, gente!.:.

Sobre Cassy Teodoro

Administradora e resenhista deste digníssimo blog. Aes Sedai da Ajah Verde, Curadora das Crônicas da Torre Branca e fiel ao Lorde Dragão Rand al'Thor.
Esse post foi publicado em Fantasia e Ficção Científica, Resenhas, Romance e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Resenha: Windhaven, de Lisa Tuttle & George R. R. Martin

  1. fiacha disse:

    Ois,

    Um livro que me surpreendeu pela positiva, gostei muito🙂

    Abraços

    • Cassy Teodoro disse:

      Olá, amigo Corvo! Eu tb gostei da leitura, mas alguns trechos acabaram por ser um pouco mais lentos, em especial na segunda parte, em relação à boa narrativa da primeira parte. É um livro muito bom e tenho certeza que quando chegar por aqui, os fãs do Martin vão gostar.

Por favor, deixem os seus comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s