Resenha: Moving Pictures, de Terry Pratchett

Título: Moving Pictures

Autor: Terry Pratchett

Publicação: 1990

Número de páginas: 354 páginas

Editora: HarperCollins

ISBN: 9780061809712

Moving Pictures é o décimo livro na ordem de publicação da série de fantasia Discworld e o primeiro da minissérie Industrial Revolution. Aqui no Brasil, pela editora Conrad, a obra recebeu o título A magia de Holy Wood. Espero que a Bertrand Brasil publique esse interessante implemento de uma das séries mais divertidas que já surgiu na literatura fantástica.

A história se passa em Ankh-Morpork, mais precisamente no monte Holy Wood, onde está sendo colocado em prática um interessante invento dos alquimistas de Discworld capaz de fazer fotos/figuras se moverem (moving pictures).

O fato é que além de descobrirmos novos personagens, juntamente com os antigos, vermos uma melhor interação entre as espécies de Discworld, sem contar a ótima exploração do cenário e aquele humor bem característico de Sir Terry Pratchett, testemunhamos uma excelente analogia entre a magia de por em prática o invento dos alquimistas e a magia que foi a descoberta do filme no nosso mundo real.

Para os aficionados em cinema, não faltarão cenas que lembram muito bem o comportamento de determinadas estrelas de Hollywood, o quanto elas lembram certos atores e atrizes reais; o estresse das produções; o custo financeiro da produção; quem vai custear a produção (e a que preço); e algumas referências a filmes clássicos famosos. E, claro, não estaríamos diante de um livro de Discworld se essa produção não causasse algo estranho no mundo da série, o que acaba por render mais trechos bem divertidos.

Discworld é sem dúvida uma das melhores séries de fantasia já escritas.

Série recomendada.

.:.Até mais, gente!.:.

Sobre Cassy Teodoro

Constant Reader. SJW. Green Ajah.
Esse post foi publicado em Fantasia e Ficção Científica, Romance e marcado , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Resenha: Moving Pictures, de Terry Pratchett

  1. É sensacional! Pra mim um dos melhores é o oitavo, “Guardas! Guardas!” Vcê chora de rir só com a sinopse!

Deixem o seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s