Resenha: Knights of the Black and White, de Jack Whyte

Título: Knights of the Black and White

Autor: Jack Whyte

Publicação: 08 de agosto de 2006

Número de páginas: 749 páginas

Editora: Jove Novel

ISBN: 9780515143331

Sinopse: Jack Whyte, um dos maiores autores britânicos de ficção histórica, célebre por seus romances arturianos, estreia na Editora Record com o primeiro volume da Trilogia dos Templários. Nesse livro, é narrada a iniciação do cavaleiro Hugh de Payens na Ordem do Renascimento no Sião, e sua ida a Jerusalém em busca de um valioso tesouro (sinopse retirada da edição brasileira).

Knights of the Black and White é o primeiro livro da série Templar Trilogy do escritor Jack Whyte. É também o primeiro livro que leio desse escritor. O livro já foi publicado aqui no Brasil com o título Os Cavaleiros de Preto e Branco e a série se chama Trilogia dos Templários.

A trama gira em torno da Ordem do Templários, cavaleiros usados pela Igreja Católica para defender os peregrinos na Terra Santa. Os cavaleiros templários foi um verdadeiro exército da Igreja durante as Cruzadas e ajudou a instituição a restabelecer o Cristianismo em Jerusalém.

A figura central do livro é Hugh de Payens, grão mestre e fundador da Ordem dos Pobres Soldados de Jesus Cristo, conhecida como Ordem dos Templários. O autor começa a história bem antes, quando o jovem Hugh é incorporado em uma sociedade secreta conhecida como Ordem do Renascimento, cujas cores são o Preto e o Branco. Algum tempo depois, Hugh é enviado a Jerusalém, juntamente com alguns dos seus companheiros da Ordem do Renascimento.  O objetivo é ajudar a Igreja a restabelecer o Cristianismo na Terra Santa.

Após o tal restabelecimento, Jerusalém passa a ser um reino cristão e Hugh decide se estabelecer no local a serviço do Rei e, secretamente, da Ordem do Renascimento. Após alguns anos chega em Jerusalém um jovem cavaleiro, Stephen St. Clair, também pertencente à Ordem do Renascimento, com uma missão para Hugh de Payens e seus companheiros, encontrar abaixo do palácio do Rei o antigo Templo de Salomão e seus tesouros.

Capa da edição brasileira

Para poder cumprir a missão sem que o rei e a Igreja, suspeitem, Hugh e seus companheiros, decidem se tornar monges e com o aval do Arcebispo e do Rei, surge a Ordem dos Pobres Soldados de Jesus Cristo.

O livro é muito bem narrado e a trama é bem construída. Há momentos com intrigas, quando os cavaleiros são quase descobertos pelo Secretário do Arcebispo, o corrupto Bispo Odo. Aliás, através da figura de Odo nos é mostrada toda a sujeira da Igreja, a busca de alguns clérigos por riqueza e o descumprimento dos votos clericais, principalmente o da castidade.

Em vários trechos do livro, o autor também se refere ao modo como o Cristianismo se tornou a religião do mundo ocidental. O que pode ser verdade sabe a vida de Jesus Cristo e o que a Igreja esconde de seus fieis. No entanto, o autor não faz uma crítica direta ao Cristianismo, pelo menos eu não senti como uma crítica. O que há são apenas constatações baseadas em fatos históricos.

Outro ponto interessante é o testemunho de Hugh de Payens durante a Guerra Santa. A personagem se vê questionando o ideal cristão após testemunhar vários massacres acontecidos de forma injustificada que vão de encontro às palavras de Cristo e ao ideal do Cristianismo. As diversas injustiças e crueldade praticadas em nome de Jesus Cristo e a hipocrisia também são destacados pelo autor.

Algo que achei bem interessante é a mudança da personagem central. Quero dizer, o autor, em determinado momento, coloca a trama sob o ponto de vista de outra personagem que passa a ser a central. O plot passa a ser desenvolvido sob a ótica de Stephen St. Clair. E diversos pontos referentes ao poder do Cristianismo e aos votos dos monges da Ordem são novamente colocados em cheque pela personagem.

Cavaleiro Templário

Por ser o primeiro livro da trilogia, a Ordem dos Templários nos é mostrada como uma ordem de monges pobres ainda sem influência política ou religiosa. O cumprimento da missão, com o descobrimento de um tesouro há muito procurado pela Ordem do Renascimento, faz com que Hugh de Payens volte para Sião e procure um patrono para os cavaleiros templários através de Bernardo de Claraval, sobrinho de um dos membros da Ordem, para que a Ordem dos Pobres Soldados de Jesus Cristo seja reconhecida pelo Papa.

Por fim, resta dizer que o livro é ótimo, com personagens e fatos reais misturados de uma forma excelente com elementos ficcionais. Em nenhum momento a narração é cansativa, há algumas tramas paralelas que podem parecer que destoam um pouco do foco central, mas fica fácil perceber a intenção do autor em colocá-las na trama.

Recomendadíssimo.

Curiosidades:

1.A nome da Ordem dos Cavaleiros Templários era Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão;

2.A Ordem foi criada em 1119 e foi fundada por Hugh de Payens, primeiro grão-mestre, e o patrono foi São Bernardo de Claraval.

3.A Ordem foi extinta em 1312 e o último grão-mestre foi Jacques de Molay (tb Jacques DeMolay ou Tiago de Molay);

4.Estima-se que no seu ápice a ordem era composta por quase 20.000 membros, sendo 10% de seu contingente cavaleiros;

5.O lema da ordem era “Não para si, mas para Deus”;

6.A vestimenta era um manto branco com uma cruz vermelha;

7.Personagens reais colocados no livro: Hugh de Payens, Rei Balduíno II, Godofredo de Saint-Omer, Godofredo de Rossal, Payen de Montdidier, André de Montbard, Gondemare, Arcimbaldo de Saint-Armand.

.:.Abraços e até a próxima.:.

Anúncios

Sobre Cassy Teodoro

Administradora e resenhista deste digníssimo blog. Aes Sedai da Ajah Verde, Curadora das Crônicas da Torre Branca e fiel ao Lorde Dragão Rand al'Thor.
Esse post foi publicado em Ficção Histórica/Romance Histórico, Resenhas, Romance e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

12 respostas para Resenha: Knights of the Black and White, de Jack Whyte

  1. André disse:

    Não sei se lerá isto, mas vou tentar a sorte. rsrs
    Tentei achar os 3 livros pra comprar, mas infelizmente o terceiro não está traduzido ainda, pelo que pesquisei o livro foi lançado há algum tempo, sabe dizer se terá tradução?
    Obrigado.

    • Cassy disse:

      Olá e seja bem-vindo ao blog, André. Foi justamente por causa da demora da editora que apostei na trilogia em inglês, comprando todos os livros de uma vez. Ainda não obtive resposta junto a editora sobre o lançamento da edição brasileira. Mas assim que eu tiver notícias postarei.

      A resenha do segundo livro sai em breve. Obrigada por comentar e volte sempre 😀

      • André disse:

        Olá Cassy.
        Mandei um e-mail para a editora que me respondeu dizendo que o lançamento está previsto para março deste ano.
        Só nos resta aguardar para saber se essa informação se manterá!
        =)

      • Cassy disse:

        Não sei se sou eu, mas as editoras nunca me respondem. Aliás, a leya já me respondeu, mas demorou séculos rsrsrsrs

  2. André disse:

    Olá Cassy.
    Novamente passando por aqui.
    Dei uma olhada no site da Editora Record e encontrei algo que fiquei muito feliz.
    O livro 3 da Trilogia dos Templários finalmente foi traduzida.
    Segue o link da Editora: http://www.record.com.br/livro_sinopse.asp?id_livro=26717

    Vou comprar o quantos antes!
    hahaha
    Beijos!!!

    • Cassy disse:

      André, que notícia ótima. Acabei de ver, a capa ficou muito boa. Eu estou terminando outra trilogia, mas em breve retornarei para a dos Templários. Então, já já tem resenha do segundo e terceiro livros.

      Obrigada por partilhar 😀

  3. tenari disse:

    Olá, por favor gostaria de saber se essa trilogia é boa, me interessei em começar a ler, mas nunca ouvi falar desse escritor. obrigada

    • Cassy disse:

      Olá, tenari! Até o momento li apenas o primeiro livro, mas tenho amigos que leram os demais e adoraram.

      Eu gostei bastante do que li, a forma de escrita dele e os detalhes históricos são bem precisos, claro, com o toque da ficção histórica, mas não muito desviados da realidade.

      Realmente o Jack Whyte não é muito conhecido aqui e lá fora (Estados Unidos/Reino Unido) ele é mais conhecido pela série Camulod sobre o ascensão do Rei Artur.

  4. Olá, Cassiana!
    Eu quero muito ler esse livro! Como você já sabe, eu adoro esse gênero, e os livros de Jack Whyte estão no topo da minha wishlist, juntamente com o Cornwell e o Sanderson!
    Ótima resenha!
    Abraços!

  5. Gostei muito da sua resenha, Cassiana.
    Quero muito ler essa trilogia dos templários!

    http://www.bravuraliterariablog.blogspot.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s